Arquivos da categoria: Historias

Borboleta laranja

Borboleta laranja

As assas como uma montanha. 

Ganhando luzes e luzes 

A transformação — luzes do novo da calma e do mar que esta logo ali atrás da janela. 

A janela da alma 

A janela que a borboleta olha para que as suas assas possam voar. 

Voar com suas luzes 

Caminhos nunca percorridos por de trás da janela há um mar. 

Por de trás da janela ha o por do sol laranja. 

 

Dias de sol

Dias de sol

 Dias de céu azul

vento gelado, mar gelado, piscina gelada, tudo gelado, o chuveiro gelado e o sorvete também. 

O por do sol laranja A lua a brilhar 

A pracinha com muitas crianças a balança que vai e vem como o mar

A Nenê (a minha cachorrinha)a correr como um pequeno cavalinho. 

A amarelinha lá embaixo e o pipoqueiro O TikTok, talvez coisa de adolescente? porque não postar o meu trabalho lá e fazer uma conta para a Nenê?

 A blusa de frio da Branca de Neve 

A vida que vai Uma semana na praia com a ti e a Nenê Foi bom !

O gelado do mar 

O sorvete de chocolate 

A Nenê em baixo das cobertas e os ossos pelo caminho

Novas histórias escritas no computador

As asas da borboleta com as cores do céu

O seu vermelho do inverno 

O mar hora verde, hora azul 

O vento frio

 A borboleta na piscina e o seu azul de fundo. 

As árvores verdes na beira da praia.

 A vida que vai como as ondas do mar.

Era uma vez um caderno 

Era uma vez uma aula …

Era uma vez um caderno 

Um caderno de listras rosas com flores 

Com o Gaby escrito na capa 

Era uma vez um ano de aulas 

Histórias da vida real 

História de fadas , de monstro roxo com o arco íris na barriga 

A fafa Ayla , a branca de neve com anões a menos , a pequena sereia em outra versão, versões sem príncipes rs não gosto da versão do cavalo branco 

Histórias de momento de tristezas que deságuam nas linhas do caderno, o olho azul do meu avô paterno,  as histórias da máquina de escrever do meu avô materno! Os bordados as cores , história sobre o tempo , tudo lá no meu caderno de flores e listas … o caderno foi seguido seu fluxo! E chegou a fim , agora um novo caderno já está pronto para novas histórias … deste mesmo caderno saiu a ideia para escrever de outra forma o meu tcc …

Obrigada Lili por cada aula @lilianrferrari  obrigada pelo processo lindo da escrita

 

choro é feito de água

Dizem que choro é feito de água,

talvez seja feito de água e de sal para mim é feito de emoção,

de tristeza aquela que sai para fora do nosso eu do nosso eu mais puro do nosso eu mais precioso

a lágrima que cura que deixa ir o  que machuca,  a alma machucada, a alma que tentar se encontrar em cada lágrima que tenta escrever uma nova história histórias muitas vezes superação

a lágrima que deixa a tristeza fluir,  o que vai , o sair o percorrer…. o percorrer os caminhos da face ,  o sair como as ondas oceano como água de um rio que deságua da alma que vai encontrando o seu rio  ….

o processo do rio que vai desaguando nesse caderno de tantos momentos escritos,

a fada da tristeza, a fada azul de roupas roxas a fada que mora em um lugar bem longe no final da floresta no final de tudo onde a luz só aparece um pouquinho a luz no final do túnel  a fada que vai tentando encontrar suas próprias sombras, a fada  que tenta deixar e tudo aquilo que não faz bem a fada que fica tentando transformar a lágrima em sorriso o sorriso da alma a fada que vai tentando achar a sua luz interna a fada que buscar luz que termina este caderno buscando o que há de melhor em cada palavra porque metade de mim é poesia e a outra metade são palavras ao vento……..

Era uma vez uma infância 

Era uma vez uma infância 

Era uma vez uma infância que ficou registrada na memória entre o pé de amora e o

parquinho de pedra sabão é este nome ? 

Pedra brancas por onde passava a minha bicicleta rosa 

Onde dava para correr 

Mas eu não sabia correr 

E ainda não sei 

Mas sabia voar 

Voar na minha imaginação pelas pedras brancas a andar com a bicicleta rosa 

Neste final de semana tentei correr no parquinho de pedras brancas 

Com o cachorrinho de plástico perdido uma cena que parece ter saindo de um quadro do

edward hopper , um cachorrinho de Plástico da nova geração os atuais habitantes do meu

parquinho da infância, que neste final de semana tinha novos pequenos , 

Os pequeninos da tia Babi  Abi , ou melhor agora tia Gabi,

ainda não sei correr ! 

Mas ainda sei voar na imaginação 

E foi como se  um dia valesse por um ano inteiro 

E não importa se a pandemia nos separou

A ligação sempre vai está lá 

Os meus pequeninos habitantes do meu parquinho e do meu coração! 

Como foi bom balançar com vocês 

Ops a tia Gaby não entra mas na balança 

Muito menos na bicicleta rosa 

Ela não saber correr 

Mas sabe voar na imaginação com vocês 

Sabe sobre o pé de amora , sabe sobre dinossauros , e sobre legos coloridos 

E sabe amar e voar ! 

 

 

Eu Sou

Eu sou 

Eu sou quieta 

Meia tímida 

Um pouquinho teimosa 

Um pouquinho nervosa 

Muito sentimental 

choro por qualquer coisa 

Fico mas nas nuvens do que na terra 

Muito distraída 

Muito desastrada, saio quebrando tudo 

Gosto mesmo do mundo das cores 

Do mundo das águas 

Gosto de poesia 

Gosto de pessoa 

Sou devota de nossa senhora de todos os nomes e de Santa Terezinha 

Amo cor de rosa 

Adoro sair com a ti 

Amo café 

E hoje em dia não ligo muito para a historia do pé 

Aprendi que posso dançar e até voar na imaginação 

Tenho um nome inspirado em Jorge Amado e os olhos do meu avô 

Meu avô me ensinou a ser forte através do seu olhar 

Então eu nasci assim, mas nem sempre serei assim

 

Dia a Dia

Série  dia a dia 

retratos da vida 

Vida transformada em cores 

Cores da vida 

Momentos especiais 

Momentos eternizados nas cores 

Desenhos para comemorar datas especiais 

Aniversário de amigas 

Aniversário de cidades 

Apresentações de Ballet os passos nas linhas e cores 

Dias alegres , Dias de sol 

Dias tristes, Dias de chuva 

Musicas transformação de notas musicais em cores 

A vida como um Rio que vai fluindo através de cada cor de cada linha 

A vida em movimento 

Movimento retrato 

Uma forma de deixar o tempo fluir 

O fluir da vida transformada em cores 

O bicho

Eu estava no escritório ou melhor  na parte da casa que transformei em atelier na pandemia, na verdade já tinha feito isto um pouquinho antes da pandemia 

E  lá estava arrumando as minhas linhas 

Quando de repente entra um bicho voando pela janela 

Sai correndo fechei a porta 

E fui chamar a ti ! 

Eu tem um bicho  lá no escritório e faz barulho 

Ela um morcego? 

Eu não sei é grande 

E ela foi ela tentar matar o bicho para mim 

Eu não entra aí o bicho vai te pegar 

E a ti mas como assim é  grande desse jeito! 

Eu grande faz barulho e deve morder 

A ti não é possível 

Ela pegou o veneno a vassoura e foi lá tentar matar o bicho 

E nisto o bicho entra no meio dos meus papéis de aquarela , peguei o veneno e comecei a jogar ! 

E foi veneno para todo lado no iPad no meu caderno da pós no chão 

E no final a ti matou o bicho 

E ela vira para mim e fala este escândalo todo era só por causa de um besouro? 

Sim ! 

Aí a ti  como você vai cuidar de uma cachorrinha se você tem medo de besouro 

A cachorrinha não pega o besouro? 

E tinha prometido que iria pintar o besouro para ti ! Aí está ! 

 

Maria do Rosário

Maria do Rosário

Maria como nossa senhora

Rosário  como uma Rosa

Pequena no tamanho

Porém  enorme na coragem

Dona do gato Mimi

e de uma voz doce  que gostava de cantar beijinho doce

Proprietária de um rádio que as 4 da manhã já estava tocando uma moda sertaneja

nascida em laranjeiras do sul

cidade de céu azul

filha de um senhor polonês

Branquinha e Magrinha

conhecida como dona pequenina

costurava  vestidos de faixinha para as pequenas filhas

o céu azul da voz doce

do beijinho doce

Acompanhada pela sanfona do marido Jorge

notas suaves

Café sempre quietinhos no bule azul

um dia maria do rosario se foi …

comendo uma maçã

eu não a conheci

mas historia passa de geração para geração

está  história  poderia esta escrita em um papel de carta bem bonito