Arquivo da tag: memorias afetivas

trabalhos uma historia …..

Era uma vez …..

ou melhor era um dia de sol,  adolescente  que eu era adorava uma piscina, quando eu vi um cartaz no mural do clube sobre aula de pinturas e foi assim que comecei…. e não parei mas… as cores me pegaram

durante o caminho fui aprendendo coisas novas comecei pintando uma igrejinha que ficou com a cruz torta , e com um pouco de coca – cola por que eu tomava coca- cola , e pintava ao mesmo tempo … depois pintei um urso amarelo que fica aqui no meu quarto  me fazendo companhia

um pouquinho mas tarde encontrei um professor que pintava no estilo naif e o naif me levou além a menina criada na cidade , começou então a pintar plantações de algodão,  colheitas , festas populares , e me apaixonei pelo mundo das cores do naif , deixei de lado o urso amarelo , a igreja de cruz torta , as bonequinhas o mundo da pre adolescente para entrar na adolescência acompanhada da arte Naif e sua cores

entrei na faculdade de psicologia mas não teve jeito era a arte que eu queria ….

então resolvi sair da psicologia e entrar de cabeça no mundo das artes …

fiz faculdade de artes ….  depois fui estudar no Tomie othake lá sim foi minha grande escola

fiz exposições ganhei ate prêmios o primeiro aos 17 anos .. fiz exposições fora , Inglaterra, Canada ,  individuais como a exposição memórias afetivas um marco na minha vida como artista a minha exposição mas importante até aqui, entrei na galeria Verarte , da Vera simões a curadora da exposição memórias afetivas  e também da exposição de Aparecida uma homenagem a nossa senhora Aparecida

neste meio tempo me aventurei na fotografia mas isto ja ė um capítulo a parte

entre os meus professores estão Deborah Paiva com quem aprendi muito , João sotta , o mestre da arte naif , Soraya Mattos que me ensinou como caminhar entre as cores do mundo digital , Catarina Gushiken uma divisão de água no meu trabalho e na minha vida pessoal e como artista , Cirton Genaro meu professor e querido mestre até hoje e Pinky Wainer que me ensina a ir em frente com coragem …. e Renato Dib  a uns 3 anos me aproximei da arte têxtil e não parei mas ….

Influência sim tive muitas  sempre fui mas ligada na arte brasileira não sei o motivo disto, mas foi uma coisa que foi caminhando com naturalidade

Leonilson , Bispo do Rosario ,  Leda Catunda , Adriana varejão , Ana Egreja , Nelson Leneir , Beatriz Milhazes , Djanira da motta e Silva , volpi , Rosana Paulino

kiki smith,  Sheila Hicks , Frida Kahlo , Diego Rivera , Leonora Carrington , Marc Chagall entre outros nomes

abaixo uma pequena linha do tempo dos meus trabalho

o começo uma coisa bem adolescente……. quadro de 1998

quadros feitos entre 2001 e 2003 , o caminho pelos temas populares da arte naif

Série toda acrilico sobre tela

a tentativa de caminhar pelas paisagens 2004

Óleo sobre tela

uma passagem  de um ruptura  total , logo após o Tcc , uma pesquisa sobre o corpo humano , a tentativa de ir mas ao fundo nos temas -2005

da serie corpo humano 2005

da serie copo humano – corações e vulcões 2006

serie toda acrílica sobre tela

da serie corpo humano para serie jardim secreto 2007

\

quadros de feitos entre 2007 e 2008 – as flores do meu jardim secreto

serie toda acrilica sobre tela

serie após jardim secreto rendas  e flores e santos 2009 um começo para a serie universo particular – colagem e tinta acrílica

serie universo particular ….. um pouco do meu próprio universo – santos , bonecos , Alice , pequeno príncipe flores muitas flores – colagem e tinta acrílica –  2010

A volta a pintura após um período  muito complicado a volta nas flores – 2014

neste periodo fiz mas colagens e alguns desenhos

trabalho de 2015 as meninas

outro trabalho de 2015 , depois de um período difícil a busca pelo feminino a busca das flores do caminho

de 2015  a busca do feminino

as colagens em 2015 fiz um caminho pelas colagens buscando o feminino os contos de fada

uma exposição no Tomie othake  2015

serie Lady DI de 2015

serie flores do caminho 2016

o começo da serie memórias final de 2017

a partir da serie memórias afetivas há uma virada no meu trabalho ,  a serie memórias afetivas não só composta de pinturas e sim com pinturas , ilustrações digitais , bordados , aquarelas , um livro …

aquarelas e monotipia da serie memórias afetivas

serie memorias afetivas ilustrações digitais

alguns dos bordados da serie  feitos entre 2017 e 2019

uma pintura da serie memórias afetivas

Exposições memorias afetivas – realizadas pela vera simões

Exposição memorias afetivas no metro

Exposição em Aparecida realização galeria verarte

serie nossa senhora feita entre 2017 e 2019 algumas especiais para a exposição de Aparecida

serie nossa senhora ilustrações para a exposição de nossa senhora em Aparecida

 

bordados da serie contos de fada – 2019 para a exposições bordados Afetivos

serie bordado e ilustrações  do corpo humano eu e as minhas questões

bordados da exposições – bordados afetivos realizada em maio de 2019 na casa de Portugal em São Paulo  curadoria – Vera simões ….

     

bordados  serie releitura  2018 – 2019

serie fragmentos da minha historia cores do meu universo- acrílica sobre tela – serie ainda em andamento assim como toda serie dos bordados

abaixo algumas ilustração minhas feitas dia a dia , ilustração feitas em dia de de santos , em datas especiais … mas todas tem um pouco da minha historia é uma forma de chegar no outro com as minhas cores  – serie ainda em andamento – ilustrações digitais

 

abaixo a serie de aquarelas também em  processo

serie princesas e rainhas – serie para uma futura exposição em 2021

colagens – também series em processos

 

outras colagens – meu mundo colorido

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

colagem

A colagem de hoje …. Eu e a ti ! E continuamos aqui nos duas !
Juntas sempre até na quarentena… e na maior paz e com muito amor também … vai passar …. Enquanto eu fazia a @zizafernandes cantava
Ziza obrigada por cantar o preço deste amor
Quanta estrada foi
Que andamos nesta vida
De abraços e encontros
De chegadas e partidas
Não existe amor maior
Que a coragem de dizer
Que um dia, se preciso for
Dou minha vida por você
Não existe amor maior
Que a coragem de dizer
Que um dia, se preciso for
Dou minha vida por você
Amigo a gente guarda
Mesmo que haja falhas
Quando Deus constrói um laço
O amor jamais acaba
Eu lhe trago em meu peito
Por amor e por direito
Mesmo que você jamais
Saiba o preço deste amor
Não existe amor maior
Que a coragem de dizer
Que um dia, se preciso for
Dou minha vida por você
Não existe amor maior
Que a coragem de dizer
Que um dia, se preciso for
Dou minha vida por você

um pequeno poema

Vai para o Jorge e sua sanfona
Devolvo de São Jorge
Vai para Maria do Rosário e sua voz doce
Vai para o João do olho azul
Vai entre azul de laranjeira do sul
Entre o vento de Catanduva
Vai entre os cristais de cristalina
Vai para os biscoitos mas doces
Que Castorina da terra dos cristais fazia
Vai para o interior da Adelina
Ou para a noite da barra funda do Antônio
Para os pinheiros do ar frio do Paraná
Para o pão de queijo do João

Aninha e carol

Aninha e carol

selecionando imagens para ilustrar os meus textos achei , a carol e a aninha perdidas entre tantas e tantas imagens do meu computador , ilustração feita com muito carinho de presente para um amigo , amigos presente que a vida nos da ….. amigo das imagens do por do sol , que ele tanto amava fotografar e eu adorava curtir , curtia todas , as fotos da aninha e da carol mereceriam muito mas que um coraçãozinho vermelhinho e sim muitos corações muitas borboletas mereciam um jardim inteiro de flores , Aninha e Carol suas netinhas, carol com seus olhinhos puxados e cabelos longos , Aninha com seus cabelos claros e olhos azuis como o mar , eu nunca as vi , mas observava a cada foto , a fotografia tem este poder magico de nos transportar para outros lugares , é assim fui transportada para o mundo de aninha e carol com suas bonecas e um dia transportei elas para uma ilustração minha …. um mundo cor de rosa e cheio de estrelas e nuvens coloridas um mundo onde ha a magia da infância .

Aparecida ……

 

Aparecida ……

um tema muito presente nos meus trabalhos como artista desde de sempre a nossa senhora dos romeiros , que chegam com seus muitos pedidos e agradecimento , quantas e quantas historias de idas e vindas , ha gente agradecendo suas curas suas graças alcançadas e outros graças que ainda viram , quantas e quantas historias tem dentro a imensa básica de aparecida santinha achada no rio por três simples pescadores que entram para historia….. a historia da santinha achada dentro de um rio entre são Paulo e rio de janeiro , nossa senhora da conceição que pela historia virou nossa senhora da conceição aparecida mas conhecida como nossa senhora aparecida , aparecida de um povo inteiro do Brasil e dos Brasileiros , muitas vezes estive na básica, fico tentando imaginar cada historia que tem por trás de cada rosto que param na frente da santinha para agradecer rezar ou apenas olha la com o olhar mas puro , pureza é palavra que para mim define….. pureza e leveza , o ar de aparecida tem isto um misto de pureza e leveza e fé …. fé de um povo e sua santinha achada na leveza e pureza de um rio ….

  O trem

O trem
Era um dia de calor de fevereiro e o sol brilhava com uma intensidade pela minha janela tocava a musica trem bala a musica fenômeno e fiquei tentando imaginar como seria uma ilustração daquela musica , então comecei a desenhar queria um trem quase de brinquedo daqueles de madeira da infância do interior onde as crianças brincam na rua de amarelinha esconde esconde , pulavam corda , jogam bolinhas de gude e tem aqueles cavalinhos de madeira e aquelas casinhas de boneca feitas com pecinha de madeira onde não é necessário ter um video game de ultima geração ou um celular , um mundo sem esta tecnologia toda , mas cheio de girassóis que de tão amarelos se tornam o próprio sol , onde ha espaço simplesmente para sonhar e onde a imaginação ganha um mundo próprio

3.7

3.7
Nasci em uma terça feira do mês de abril de 1981 , talvez perto da Páscoa com seus coelhinho e ovos coloridos , em um dia 7 número simbólico, a Branca de neve tem 7 anões , o gato tem 7 vidas , são 7 os anjos da guarda, nasci antes do tempo , pequena muito pequena e com os olhinhos azuis, até o meu aniversário de 3 anos fui filha única aí ganhei um irmão de presente e um violão, anos se passaram quis ser professora, jornalista, bailarina, mas virei artista e comecei a contar o meu mundo através das cores , mas a vida tem suas etapas aos 4 anos eu queria ser bailarina aos 7 professora , aos 16 jornalistas, aos 19 eu estava em duvida entre ser psicóloga ou artista mas a arte falou mas alto , aos 4 anos eu amava a moranguinho e minha festa de aniversário foi dela , aos 7 amava a Barbie e minha festa foi dela , a de 18 foi em um restaurante japonês , mas é abril ainda , agora abril de 2018 , e acabei de chegar nos 3.7 com o 7 das 7 vidas do gato dos anões da branca de neve , e este ano não teve festa da moranguinho ou da Barbie , mas teve realização da menina de 4 anos que um dia eu fui mas em vez do bolo da moranguinho teve um vestido rosa , e uma sapatilha , aos em vez do restaurante japonês teve a exposição da menina que sonhou em ser artista aos 20 anos e realizou o seu maior sonho no aniversário de 3.7 de fazer uma exposição que falava tanto da menina de 4 anos , da adolescente de 16 que sonhava em contar histórias como jornalista , sim na exposição tinha a moranguinho, tinha a bailarina, não tinha a Barbie mas tinha outras bonecas e tinha aquele mesmo olho azul , mas agora mas brilhante do que nunca realizando um sonho ou melhor dois a primeira grande exposição em uma galeria e o palco com suas luzes brilhantes e a música da bela adormecida , foi algo bem maior que a menina de 4 anos sonhou , foi algo bem maior que a menina de 20 anos sonhou foi algo bem maior que a menina de 37 sonhou ou melhor que agora a mulher de 37 sonhou, 37 só na idade por que dia 7 voltei aos 4 anos na manhã de sábado ensolarada na Av paulista com o meu vestido emprestado cor de rosa , e na noite quente do começo de outono voltei a ter 20 anos com a minha roupa vermelha e as minhas cores na parede , é mas que isto com a minha história na parede ..sonho em cor de rosa , sonhos em vermelho, sonhos multi coloridos

Nathalia…..

uma boneca de pano a venda em uma lojinha de Atibaia interior de SP , uma cidade linda e calma
que ja começa a se enfeitar para o natal e a boneca là a espera de um comprador que lhe de uma historia …..
e por algum motivo a boneca de pano teria que ser minha e comigo ganhou um nome e uma historia
Nathalia assim por um acaso ganhou um nome meio Natalino ……Nathalia hoje dorme encima da minha cama e fica observando o meu dia a dia

São João del rei

   

São João del rei

Cidade de ar de histórico e histórica ….. construída sobre as lindas montanhas de Minas gerais … cidade de Fé com suas inúmeras igrejas , e suas lindas tradições visitar São João del rei na páscoa è como entrar em um mundo de Fé cores e arte ao mesmo tempo ….e foi assim atras de fotografias deste mundo de cores e Fé que cheguei a esta linda casinha , uma pousada que beirava uma rodovia e cercada de verde , e toda cheia de vida , parecia uma casinha de uma linda boneca que estaria prestes a chegar a qualquer momento , havia pássaros livres e todo tipo de pequenos insetos em suas flores cor de rosa …..havia bonecas de barro que de tâo bem feitas pareciam ter vida própria , era tudo muito poético com um ar de contos de fada ….

Tereza

Ás vezes fico horas e horas escutando a ti contar as suas historias , sempre gostei muito de escutar historias .
não era á toa que a minha matéria preferida na escola era historia , gostava de estudar sobre reis e rainhas , Dom Pedro segundo e a sua paixão pela fotografia , dos reis da frança  da monarquia inglesa com sua rainha quase impecável com quase 90 anos .
sempre gostei de viajar pela historia quando era criança , pela imaginação já viajo há mas tempo desde que me conheço por gente , e assim vou voando por memórias que não são minhas mas que se tornam minhas de tão verdadeiras que são. Assim como a historia da tereza , não é uma memória minha… mas um dia encontrei uma foto em um álbum da ti que estava guardado no meu quarto , a foto colada na contra capa de um álbum daqueles da década de 70 com uma linda casinha na capa daquelas que só existe na capas de álbum e que nunca vi pessoalmente , e atras da casinha mora a foto da tereza , que na verdade morreu muito antes de eu passar em nascer , mas a foto me interessou tanto , que resolvi fazer uma linda ilustração , e depois virou um lindo bordado e como eram duas meninas me lembrei de Renoir e suas meninas de rosa e azul , que deveriam ter a mesma idade da tereza e da ti , Alice e Elizabert deveriam ter por volta de seus 10 anos também filhas de banqueiro , a tela foi encomendada em 1881 , cem anos antes do meu nascimento e muitos anos antes da foto do álbum da casinha mas a posição era a mesma os vestidos bem diferentes pois anos separam a pintura da foto , e anos separaram a ilustração e o bondado da foto , mas era tudo muito parecido , duas lindas meninas no quadro, duas lindas meninas na foto que usavam também sapatinhos no estilo boneca aquele mesmo sapatinho que eu também tenho e morro de ciúmes e por um acaso ganhei da ti e ele sai comigo raramente , outro dia ele teve que ir ao sapateiro para tirar uns riscos e não é que fiquei esperando ele ser renovado , não ia deixar meu sapatinho la sozinho , e agora novinho em folha ele dorme no meu armário , o sapato igual me chamou atenção sim a posição também , era tudo igual só não a cor da roupa que no bordado dei um jeito de ficar igual , só não era igual a historias as meninas do quadro eram francesas filhas de banqueiro , as minhas meninas do álbum eram paranaense nasceram no frio úmido de catanduvas , em uma cidade pequena que nada lembra Paris do Renoir , mas tinha uma historia e tinha uma cor mesmo que a foto fosse branca e preta hoje ela é amarela pois papeis fotográficos as vezes tem este pequeno problema de mudarem de cor com o tempo mesmo que o tempo não seja longo , eu nunca vi a foto em branco e preto muito menos amarela para mim ela sempre foi rosa e azul igual no quadro a ti a mas nova era a de vestido cor de rosa e com os seus sonhos cor de rosa , tereza a mas velha a azul assim como no quadro , e com seu ar quase celestial , tereza era tia da ti diferente as duas meninas da pintura do quadro que eram irmãs mas a diferença de idade era a mesma , tereza a menina de azul e com ar celeste morreu cedo tinha um ar de sonhos da cor do Céu de cantaduvas cidade da região oeste Parana .